El papel más verde - Just another WordPress site
+351 249 730 230
portugal@pt.gomacamps.com

RECICLAGEM

Home » RECICLAGEM

O PAPEL RECICLADO DE GOMÀ-CAMPS

Nossa reciclagem

Empenhada em proteger o meio ambiente

RECICLAGEM: REDUÇÃO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS

Somos sustentáveis: usamos papel reciclado de produtos de uso único.
Redução de papel em aterros através da reutilização de resíduos, como papel recuperado.
Criação de empregos verdes graças ao uso de papel recuperado da vizinhança.

SUSTENTÁVEL: PRODUÇÃO RESPEITOSA AO MEIO AMBIENTE

Produtos feitos com fibra 100% reciclada.
Nós não usamos produtos que são prejudiciais ao meio ambiente.
Redução das emissões de CO2 e menor consumo de água e eletricidade.

ECOLÓGICO: PRODUTO E CERTIFICADO DE QUALIDADE

Referentes na fabricação de papel tissue reciclado de alta qualidade: 30 anos de experiência nos apoiam.
Primeira empresa espanhola do setor de tissue a obter o selo ecológico europeu.
Promoção de grandes formatos de conteúdo para otimizar o transporte e o armazenamento que ajudam o meio ambiente.




Valorização de lamas e resíduos


O futuro:
Transformar energia térmica com a valorização energética dos resíduos florestais de fornecimento externo e das lamas geradas no próprio processo industrial.
Os resíduos de produção voltam ao início do processo, sendo reciclados para uma segunda vida.


A Gomà-Camps vai investir nove milhões de euros num projeto de resíduos zero para aproveitar a energia térmica dos subprodutos no fabrico de pasta de papel reciclado.
Conseguiremos reduzir a dependência dos combustíveis fósseis antes de 2025. Atualmente reutilizamos os resíduos para o fabrico de blocos cerâmicos e para a produção de composto, entre outras aplicações.
"Estamos envolvidos na passagem de uma economia linear no nosso processo produtivo para uma economia circular, que inclui a reciclagem dos resíduos da nossa atividade e a preparação para a respetiva reutilização."

- Maties Gomà-Camps, Diretor-Gera Grupo Gomà-Camps



O que é a reciclagem?
A reciclagem é um processo que tem por objetivo converter os desperdícios em novos produtos ou numa matéria-prima que possa ser utilizada posteriormente. Portanto, consiste em obter uma matéria-prima ou produto novo, por meio de um processo físico-químico ou mecânico, a partir de produtos e materiais não utilizados ou obsoletos. Desta forma é possível aumentar o ciclo de vida de um produto, poupando materiais e beneficiando o ambiente, com uma menor produção de resíduos.








MATERIAIS RECICLÁVEIS

Que conseguimos com a reciclagem?

    • Prevenir o desaproveitamento de materiais potencialmente úteis
    • Reduzir o consumo de matérias-primas novas
    • Reduzir a utilização de energia, a poluição do ar e da água
    • Diminuir as emissões de gases de efeito de estufa em comparação com a produção de plásticos.


Todos os materiais podem ser reciclados?


Existem muitos materiais recicláveis como o papel e cartão, o vidro, os metais ferrosos e não ferrosos, alguns plásticos, tecidos e têxteis, madeiras e componentes eletrónicos.


Mas há outros materiais que não é possível reciclar, devido à dificuldade técnica ou ao elevado custo deste processo, de modo que o material ou os produtos são reutilizados frequentemente para produzir outros materiais com aplicações diferentes, como o aproveitamento energético.


O processo de reciclagem


Todo este processo, ou cadeia de reciclagem, segue várias etapas:

Separação de materiais: a reciclagem começa em ambientes industriais e/ou domésticos, com a separação dos diferentes materiais.

Recuperação: realizada por empresas públicas e privadas, consiste na recolha e no transporte destes resíduos para as centrais de transferência. São utilizados os típicos contentores urbanos de recolha seletiva (contentores amarelo, verde, azul, cinzento e castanho).

Centrais de transferência: aqui são misturadas e armazenadas de forma compactada grandes quantidades de resíduos para o seu posterior transporte em grandes quantidades (usando contentores maiores ou compactadores mais potentes, para realizar transportes maiores com um menor custo) para as centrais de reciclagem, chamadas centrais de triagem. .

Centrais de triagem (ou separação): aqui os resíduos são separados e classificados exaustivamente como valorizáveis, ou seja, os resíduos que podem ser reciclados, ou como resíduos não recicláveis.

Reciclador final (ou central de valorização): onde finalmente os resíduos são reciclados (papeleiras, etc.), armazenados (aterros sanitários) ou utilizados para a produção de energia (biogás, etc.).




COMO ALCANÇAR UMA SOCIEDADE MAIS SUSTENTÁVEL

Regra dos "3R"

 

  • Reduzir

    São aquelas ações para diminuir a produção de objetos suscetíveis de se converterem em resíduos, como implementar medidas de compra racional, utilizar adequadamente os produtos, comprar produtos sustentáveis, etc.
  • Reutilizar

    São todas as ações que permitem voltar a utilizar um determinado produto para lhe dar uma nova vida, com a mesma ou distinta utilização como, por exemplo, tomar medidas para reparar os produtos e aumentar a sua vida útil.
  • Reciclar

    É todo o conjunto de operações de recolha e tratamento de resíduos que permitem reintegrá-los num ciclo de vida, como a separação de resíduos na origem para facilitar os canais adequados.

 

Gestão dos resíduos

A Gomà-Camps cumpre a regulamentação de resíduos estatal e setorial, para além da autorização ambiental integrada. Também realiza a gestão de todos os resíduos gerados no processo produtivo através de gestores autorizados.
Controlamos continuamente o plano de minimização de resíduos perigosos.


A gestão de resíduos tem por objetivo fomentar a prevenção, a reutilização, a reciclagem e outras formas de valorização, assegurando que os resíduos encaminhados para operações de eliminação recebem um tratamento adequado e que se contribui para um desenvolvimento sustentável desta atividade.

Símbolos da reciclagem

A reciclagem, como muitas atividades económicas ou industriais, dispõe de um logótipo próprio, que permite identificar os produtos recicláveis.

Este logótipo é um ícone ambiental e atualmente é utilizado em todo o mundo. Foi criado em 1970 pelo estado-unidense Gary Anderson, num concurso da Container Corporation of America, uma papeleira com sede em Chicago, EUA. O símbolo hoje é utilizado em todo o mundo, com diferentes variações, para identificar os produtos recicláveis, bem como para representar os três "R": reduzir, reutilizar e reciclar.

Em 1988 a Associação da Indústria dos Plásticos dos Estados Unidos da América baseou-se nesta imagem para criar um código que permite saber o material predominante no fabrico de um produto e, portanto, identificar a complexidade da sua reciclagem. Este código utiliza uma escala de um a sete e identifica uma série de plásticos, correspondendo o um para aos produtos elaborados com tereftalato de polietileno (PET), que são os mais fáceis de reciclar. A dificuldade da reciclagem aumenta com a escala até ao número sete, utilizado nos produtos fabricados com materiais de plástico de reciclagem muito complexa. O número que corresponde a cada material encontra-se no interior do símbolo de reciclagem, as três setas criadas por Gary Anderson.


    • Número 1: plástico PET
    • Número 2: plástico polietileno de alta densidade 
    • Número 3: plástico PVC 
    • Número 4: plástico polietileno de baja densidade  
    • Número 5: plástico polipropileno 
    • Número 6: poliestireno, como PS ou ABS 
    • Número 7: outros plásticos, como policarbonatos, poliamidas ou poliuretanos.